Strict Standards: Redefining already defined constructor for class wpdb in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/wp-db.php on line 57

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/cache.php on line 36

Strict Standards: Redefining already defined constructor for class WP_Object_Cache in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/cache.php on line 384

Strict Standards: Declaration of Walker_Page::start_lvl() should be compatible with Walker::start_lvl($output) in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/classes.php on line 541

Strict Standards: Declaration of Walker_Page::end_lvl() should be compatible with Walker::end_lvl($output) in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/classes.php on line 541

Strict Standards: Declaration of Walker_Page::start_el() should be compatible with Walker::start_el($output) in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/classes.php on line 541

Strict Standards: Declaration of Walker_Page::end_el() should be compatible with Walker::end_el($output) in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/classes.php on line 541

Strict Standards: Declaration of Walker_PageDropdown::start_el() should be compatible with Walker::start_el($output) in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/classes.php on line 560

Strict Standards: Declaration of Walker_Category::start_lvl() should be compatible with Walker::start_lvl($output) in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/classes.php on line 659

Strict Standards: Declaration of Walker_Category::end_lvl() should be compatible with Walker::end_lvl($output) in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/classes.php on line 659

Strict Standards: Declaration of Walker_Category::start_el() should be compatible with Walker::start_el($output) in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/classes.php on line 659

Strict Standards: Declaration of Walker_Category::end_el() should be compatible with Walker::end_el($output) in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/classes.php on line 659

Strict Standards: Declaration of Walker_CategoryDropdown::start_el() should be compatible with Walker::start_el($output) in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/classes.php on line 684

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/query.php on line 21

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/theme.php on line 540

Warning: Creating default object from empty value in /home/jscsgpt/public_html/rabisco/wp-includes/update.php on line 23
May 01

“Arranjei novo emprego.” Agora sou Moderador no SubMundos.

Apr 03

 

(photo captada por Nuno Coutinho)

 

 

Apr 02

Foi com muito agrado que encontrei este fantástico texto na net. E foi com agrado porque? Porque fiquei a perceber que não sou o único a pensar desta maneira que muitos dizem ser indecente, mas a realidade é esta mesmo. A jovem que alegadamente teve comportamentos incenssatos com um professor, uma pessoa que dizem de autoridade, que é, não posso dizer que não, um professor é uma pessoa que deve ter todo o respeito dos seus alunos, porque caso não o tenha é um mau professor e um mau educador do futuro. Contúdo é necessário que esse mesmo “maestro do saber” saiba merecer a educação dos seus “púpilos”. Esta foi das coisas mais interessantes que li nestes últimos tempos.

“Esta história da miúda e do telemóvel já mete nojo. Como habitual, mas não menos insuportável, os media exploram para lá da exaustão as peripécias, as imagens, as declarações, os mais dispares e tanta vez disparatados comentários sobre o assunto e aliás muita coisa que nada tem a ver com o assunto.

Põem-se em fila os habituais especialistas de coisa nenhuma, a gente dos partidos faz proclamações e as muitas associações, sindicatos e aparelhos da sociedade civil e militar emitem comunicados oportunistas. Até eu que devia ter mais juízo me disponho a colaborar na confusão instalada. Faço-o, no entanto, porque me indigna ver tanto moralista à solta culpabilizar e criminalizar a gente jovem, tratando-os genericamente como malfeitores e acusando-os de ser o mal da nossa escola e já agora da sociedade e quase sempre fazendo-o com o inevitável considerando “no meu tempo é que era bom”, havia ordem, reguadas e, se preciso, bofetadas e murros. Isso sim, era disciplina e educação.

Como diz um amigo meu, é preciso nunca esquecer que a maioria dos nossos democratas andou na escola do fascismo. Isso deixa marcas que emergem nestes tiques de autoritarismo, na vontade de tudo criminalizar, no recurso à invariável pseudo-solução da repressão. Para muitos, um polícia em cada sala de aula resolveria o problema. Já agora, em cada rua, em cada lar e por aí fora.

Contudo a coisa vai mais fundo. Este episódio, trivial em si mesmo e que deveria ter sido resolvido no contexto próprio, revela um evidente desfasamento entre aquilo que são alguns modelos e rotinas do passado e a realidade do presente. O Mundo mudou mais depressa do que a capacidade de adaptação de muita gente, em particular dos mais velhos. Daí que enquanto que estes imaginam ser possível agir com a cabeça no passado, enquanto que passeiam o corpo pelo presente, coisa que obviamente faz tropeçar, os mais novos vivem já totalmente mergulhados no século XXI. Uma das coisas que mais distingue estas duas posturas é precisamente a questão da liberdade.

Desde logo é preciso reconhecer que a adolescência deixou de ser um tempo de passagem, para se tornar numa condição social em si mesmo. A crescente autonomia individual, que agora começa logo na infância, levou ao aparecimento de novos actores sociais, arrastando consigo culturas e até economias próprias. Algumas delas hoje dominantes, como sejam as da música e outras artes, da diversão e em geral da cultura urbana. Coisa que os vendedores de produtos e sonhos portáteis sabem muito bem. Nesse sentido, não se pode continuar a tratar um adolescente como um atrasado mental que só serve para impingir “gadgets”, mas não serve para ter uma vivência autónoma, com tudo o que isso implica em capacidade de decisão e expectativas originais. Há portanto desde logo um desfasamento entre as gerações da obediência e as da afirmação individual.

Por outro lado, a relação com o Mundo também se alterou radicalmente. Os mais velhos habituaram-se a viver na geografia e no espaço físico, enquanto que estes miúdos vivem num território muito mais vasto, sem fronteiras e realmente global. Pretender, por exemplo, isolar totalmente uma sala de aula do resto do universo não é só um erro, mas uma impossibilidade prática, como aliás se demonstrou com a circulação do malfadado vídeo na Internet, feito também ele com outro banal telemóvel. Ora esse facto que escandaliza tanta gente apressada revela uma capacidade de iniciativa e um estar no Mundo que só se pode apoiar e estimular. Caberia à escola saber aproveitar essa energia criativa e ver muito para lá da cena da parvoíce da colega desnorteada.

Por fim a questão da indisciplina. Muita desta gente que exige castigos exemplares fez provavelmente coisas bem piores na sua juventude. A indisciplina é uma condição natural do adolescente. É a sua afirmação num Mundo de adultos. Quem tem um filho que não faz uma asneira de vez em quando é melhor levá-lo ao médico.

Pretender por isso, como fez entre outros o arcaico procurador, criminalizar um bastante irrelevante e comum acto de indisciplina é defender a regressão social. Verdadeiros crimes são a agressão violenta, o roubo, a violação. Devem ser combatidos e punidos. Mas não acontecem certamente quando uma miúda entra em pânico pela apreensão do seu telemóvel e num ataque de histeria se envolve num corpo a corpo ridículo e indecoroso para ambas as contendentes.

Estes miúdos não são mais mal comportados do que nós o fomos no nosso tempo. Não são criminosos em potência como agora se pretende com uma extrema leviandade. Têm, e ainda bem, outras referências, outros interesses, outras ambições. Vivem num planeta diferente. Já agora, um planeta na maioria dos aspectos bem melhor do que o das nossas adolescências. Por isso e como diziam os Pink Floyd: “deixem os miúdos em paz”.”

A pessoa que escreveu esta fabulosa crítica a sociedade envolvida “nisto” está sem sombra de dúvida, de parabéns da minha parte. Leonel Moura é o Autor desta crítica.

in Jornal de Negócios
Mar 28

Olá novamente.

Depois de ter tirado um pouco mais de uma semanita de férias volto a dar porrada no meu teclado, para aqui escrever algumas coisitas.

Aqui fica uma foto de um dos sitius por onde passei:

(Photo captada por Nuno Coutinho)

 Uma coisa que tenho a dizer sobre itália é que, não gostei, sinceramente. Aquilo parecia marrocos, mas dentro das muralhas da torre de pisa é muito lindo.

 

Mais tarde meto fotos desta tour.

 

Mar 15

Mar 13

 

Fotografia captada por: Nuno Coutinho

Mar 12

Não se porquê! Os Portugueses estão sempre a queixar-se, devido ao aumento do preço dos combustiveis. Isto vai um pouco contra o que se houve dizer habitualmente. Segundo um estudo feito pela União Europeia, os Portugueses são dos que mais dão uso ao carro. Já agora Portugal representa o 27 pais da UE no que diz respeito a emissões de gases poluentes.
Portugal encontra-se no 3º lugar, no que consta o pior uso da bicicleta, fazendo apenas 29 quilómetros por pessoa por ano. Isto tudo somado parece que se pode avaliar que as “coisas” não estão tão más quanto de julga.
E porque não útilizar os meios de trasporte públicos? é uma boa opção, além de não se estar stressado em filas infinitas, poupa-se algum dinheiro e principalmente não se polui.

Mar 11

Agora que andava todo entusiasmado para ter um blog pessoal, não sei o que devo escrever. É um bocadinho parvo não é? Digamos que é vá um bocadinho. Andei três dias a “magicar” o que devia escrever e dedicar ao meu novo blog. Pois achei certo por bem, desistir e não aparecer cá uns dias. Pensei o que devia escrever, pensei em colocar uma nova foto, enfim uma série de coisas infinitas que me vieram a cabeça. Até voltas pela praia fui dar em busca de um tema para aqui espetar. E acreditam que mesmo assim fiquei a “Zeros”?

P.S:. Acabei de fazer um Post, em que o tema era, sem tema.

Mar 08

 

Ria Aveiro, 8 de Março de 2008.

Fotografia Captada por: Nuno Coutinho

Mar 08

Welcome to WordPress. This is your first post. Edit or delete it, then start blogging!